Ver perfil

REFRESCOS - #7 Implicâncias

REFRESCOS
REFRESCOS - #7 Implicâncias
Por paula gomes e mya pacioni • Edição Nº7 • Ver na web

uma entrevista
a implicância é um prato que, se você organizar direitinho, se dedicar, pode comer a vida inteira. e vale a pena. como exemplo ilustrativo, cito a implicância que nutro por um vizinho que não me deu bom dia uma vez. desde então, quando nos encontramos na rua, o encaro com o cenho franzido, o mesmo olhar de reprovação que uso quando meu celular toca. mas vocês hão de convir comigo, é uma implicância justificada. dar bom dia é o último fiapo de civilização que nos separa daqueles robôs defeituosos que saem quebrando tudo pela frente. 
uma implicância fundamentada não é de se jogar fora, claro, mas prazer-prazer mesmo, você só consegue com a implicância que surge do mais absoluto desvario. aquela nutrida por objeto, pessoa ou personagem ficcional só porque foi lhe concedido o poder inalienável de implicar com as coisas. eu procuro exercer esse direito pelo menos 2 vezes ao dia. mas tem gente que é mestre nisso. o Alan Moore, por exemplo. em uma entrevista para um programa chamado hard talk (e aqui vale dizer que eu tenho certeza que ele só aceitou conceder a entrevista porque implicou com o atrevimento do programa e quis provar que não era “hard” coisa nenhuma), perguntam sobre as adaptações cinematográficas dos seus livros, as quais ele odeia. a resposta: 
“bom, eu estava com a ilusão de que conseguiria bastante dinheiro pela venda dos direitos e as coisas dariam errado durante o processo, de modo que os filmes não seriam feitos — o que seria o cenário perfeito. infelizmente, os filmes foram feitos e eu tive que me distanciar porque eles não tinham nada a ver com meus livros”. 
“mas, só pra esclarecer, você nunca assistiu a esses filmes?” 
“nunca assisti.“
“então como você pode julgá-los?”
“eu prefiro criticar as coisas na condição de ignorante. e eu também tenho vários amigos que assistiram aos filmes e eles me asseguraram que as semelhanças com meus livros são puramente acidentais.”
claramente uma pessoa que está espremendo o suco da vida até o bagaço.
A entrevista completa:
um pedido
- O que você vai querer?
- Whatever…
- Ah não.
- Quê?
- Isso é muito chato, amor.
- O quê que é chato?
- Você responder “whatever”.
- Só porque tá em inglês? Que implicância.
- Não é “só-porque-ta-em-inglês”, mas custa dar uma opinião? Tudo eu que decido.
- Então esse é seu pet-peeve?
- Meu pet o que?
- Pet Peeve. Implicância em inglês.
- Ai jesus… O que você quer pedir do cardápio, Rafael?
- Sei lá, pede a parmegiana.
- Parmegiana, de novo parmegiana. Tá bom. Moço, traz uma parmegiana pra dois.
- …mas com molho à parte.
- Molho à parte, Rafael? Por que isso agora?
- É que da última vez eles colocaram o molho fervendo, a carne ficou cozinhando embaixo e chegou na mesa dura já. Nem deu pra comer direito.
- Molho à parte, moço.
- …e se puder trocar por um queijo vegano, melhor!
- QUEIJO VEGANO NA PARMEGIANA, RAFAEL?
- É ué, eu tô tentando parar de comer derivados de animais.
- Mas é uma PARMEGIANA!
- Eu sei.
- TEM CARNE.
- Eu sei! Eu ainda como carne, mas posso ir parando de tomar leite e comer queijo, por exemplo, que já me deixa com azia sempre. Do mais fácil pro mais difícil, ué.
- É possível, senhor, vou avisar a cozinha.
- Obrigado!
- Obrigada!
- Você viu que saco? Detesto o atendimento daqui.
- Ué, por quê? Ele vai fazer o prato carnívoro-vegano especialmente pra você.
- Não é isso, ele me chamou de senhor.
- Mas…
- “Senhor”, e eu tenho 36 anos. Ele deve ter mais de 40 e me chamou de senhor.
- Rafael, é só um jeito formal de atender mesas.
- Mas isso é um restaurante descoladinho, o cara tem que ser descoladinho também ué. Eu com 36 anos ser um SENHOR? É porque eu to ficando careca, né?
- Não, Rafael, você não tá ficando careca.
- Acha mesmo?
- Claro que não, você tem entrada desde os 20, você não ‘tá ficando careca’, você já é careca. Meu deus, você implica com cada detalhe.
- Implicante é você.
- EU?
- Sim, tô aqui conversando de boa.
- Se sou eu a implicante você é o intolerante desse casal.
- Nossa, deve ser isso! Você tá certa.
- Ah, para de ser passivo-agressivo.
- Não, não. Eu devo ser mesmo intolerante!
- Pronto, não dá mais pra conversar com você…
- Te juro. Por isso leite tem me dado azia.
uma dica
KIDDING Official Trailer (2018) Jim Carrey, Michel Gondry TV Series HD
KIDDING Official Trailer (2018) Jim Carrey, Michel Gondry TV Series HD
A série Kidding (2018) disponível na GloboPlay. Não tem a ver com implicância alguma, apenas é uma dica que me deram essa semana e valeu super a pena. Jim Carrey e seus personagens memoráveis que misturam perfeitamente a comédia e o drama… e com bonecos!
Curtiu essa edição?
paula gomes e mya pacioni

REFRESCOS é como uma coquinha gelada num dia quente. Pequenos textos como goles refrescantes na sua semana de caos.
Twitter: @myapacioni e @paulagomesn

Para cancelar sua inscrição, clique aqui.
Se você recebeu essa newsletter de alguém e curtiu, você pode assinar aqui.
Curadoria cuidadosa de paula gomes e mya pacioni via Revue.