Ver perfil

REFRESCOS - #2 Hobbies

REFRESCOS
REFRESCOS - #2 Hobbies
Por paula gomes e mya pacioni • Edição Nº2 • Ver na web

uma crônica
badminton é considerado o esporte com raquete mais rápido do mundo¹. na prática, isso quer dizer que você perde o ponto muito rápido. piscou, perdeu o ponto. piscou de novo, perdeu o jogo e o outro jogador já está com o bração esticado em cima da rede, esperando o aperto de mão. 
e não é só isso. você leva petecada na cara também. na testa, no olho, no nariz e, no ápice da humilhação, na barriga. nessas ocasiões, seu oponente costuma ser excepcionalmente cortês, o que aumenta em muito a humilhação. paralisa o jogo, pede mil perdões. o golpe da petequinha leve não deixa marcas no corpo, mas para a autoestima é um rombo parecido com o buraco feito na barriga do coyote quando atingido por uma bala de canhão que ele mesmo lançou.
o tênis de mesa aumentou o tamanho da bolinha, no ano de 2000, para diminuir a velocidade do jogo. se fizerem o mesmo com o badminton, colocando um pouco mais de chumbinho na base das petecas, eu desisto de vez. porque, a despeito de tudo que disse acima, é justamente a fama de ser o esporte mais rápido do mundo que atrai inaptas desportivas como eu. a desculpa pra ser ruim já está dada. não é preciso inventar uma desvantagem anatômica, lesão, dia ruim. você não pegou a peteca porque a peteca é rápida demais. não tem margem para interpretação. por que o outro pega e você não? porque o outro tem pacto com o diabo. 
¹vocês devem estar se perguntando do tênis de mesa. a peteca de badminton pode chegar a 400 km/h enquanto a bolinha de pingue-pongue chega só a 230 km/h.
um desconselho
Tem gente que acha que ter hobby te ajuda a se distrair da infelicidade geral da vida. Se enganam, pois caso você seja muito bom nele, alguém já sugere transformar o hobby em carreira, o que te trará uma camada de stress e pressão e naturalmente fará seu hobby talentoso te trazer mais infelicidade, você terá que arrumar outra coisa como hobby que provavelmente não executará tão bem quanto o outro, ficará frustrado de não ser melhor e a bola de neve da infelicidade estará estabelecida.
Então, haja o que houver, melhor não ser bom nos seus hobbies. Invista seu tempo livre em coisas nas quais você vai naturalmente fracassar, assim você jamais terá que se esforçar para ser melhor: o fracasso liberta. O sucesso aprisiona. FRACASSE! 
Um exemplo, quando eu era adolescente me meti a fazer escalada indoor. Tinha aberto a primeira escola disso aqui na região e eu comecei a ir, me dei super bem e no primeiro campeonato levei a medalha de ouro. Como prêmio me deram umas roupas de uma marca de surf que eu detestava e mais 3 meses grátis de aula. Obviamente aquela foi a última vez que toquei numa pedra de escalada na vida. Por muito tempo tive essa mania de me interessar só pelo que eu era ruim e podia provar com clareza esse fato. O sucesso não tem graça e ganhar moletom de loja de surf não era incentivo algum.
Fui muito mais feliz em atividades onde eu fracassava grotescamente. Como quando fiz aula de muay thai e meus chutes não moviam nem o ar ao redor do saco de pancadas. Era libertador. Ninguém tinha a menor pretensão de me ensinar a fazer melhor porque era óbvio que eu não conseguiria. Então esmurrava aquele saco de areia como se fosse o corpo de todos meus desafetos, livre de técnica ou julgamentos. Fui feliz com aqueles hematomas. E ser ruim nisso me deixou de consciência limpíssima quando após 3 meses parei de ir e me envolvi em outra atividade que podia fracassar de um jeito diferente.
Por isso repito, hobby é onde você pode relaxar os ombros e fazer o que bem entender, sem ligar pra nota que vão dar ao resultado. Faça mal, faça de qualquer jeito, faça como quiser. Você não precisa ter um hobby para ser feliz, você precisa fracassar consecutivamente.
Só existe um lugar pro campeão, pros fracassados há o infinito.
uma dica
King Of Kong: A fistful Of Quarters trailer
King Of Kong: A fistful Of Quarters trailer
O documentário The King of Kong (Seth Gordon, 2007): Steve Wiebe é um professor de ensino fundamental com muitos hobbies. Ele não é muito bom em nenhum, até que um dia compra uma máquina de fliperama e descobre que, devido a suas “habilidade matemáticas”, vai bem no joguinho Donkey Kong. Deslumbrado com a possibilidade de ser realmente muito bom em alguma coisa, Wiebe se torna um homem com uma missão: quebrar a pontuação recorde do jogo, que é de Billy Mitchell, uma subcelebridade no mundo dos games.
PS: A gente descobriu que esse botão de “curtir” e “descurtir” aqui embaixo só funciona no corpo do email. Não, não foi uma tática para evitar críticas, a gente sabe que elas vêm por outros canais também.
Então se gostou compartilha, e a gente se vê de novo semana que vem! =)
Curtiu essa edição?
paula gomes e mya pacioni

REFRESCOS é como uma coquinha gelada num dia quente. Pequenos textos como goles refrescantes na sua semana de caos.
Twitter: @myapacioni e @paulagomesn

Para cancelar sua inscrição, clique aqui.
Se você recebeu essa newsletter de alguém e curtiu, você pode assinar aqui.
Curadoria cuidadosa de paula gomes e mya pacioni via Revue.