Ver perfil

REFRESCOS - #11 Amores Perigosos

REFRESCOS
REFRESCOS - #11 Amores Perigosos
Por paula gomes e mya pacioni • Edição Nº12 • Ver na web

um flerte quase fatal
o flerte preguiçoso é um pouco desanimador? é. porque já te faz pensar que a pessoa é obtusa ou preguiçosa ou literal demais. e isso é ruim porque mesmo que você só esteja atrás de algo casual, um parceiro ou uma parceira obtusa, preguiçosa ou literal demais não tem cara de quem vai entregar uma performance inspirada. pode acontecer de te surpreender? pode. e é por isso que o flerte preguiçoso funciona às vezes. a pessoa não está impressionada, mas dobra a aposta. 
o flerte criativo demais, por sua vez, periga de apavorar o outro. a abordagem, que soa muito bem bolada, descontraída, irresistível na sua cabeça, quando executada, fica parecendo que você quer matar, ou retirar os rins da pessoa pra vender. no melhor cenário, roubar seu celular.
falo com conhecimento de causa, passei por uma experiência de “é flerte ou tentativa de homicídio?” na rodoviaria, anos atrás, quando um sujeito sentou do meu lado.
— oi, moça, aquele homem que te deixou aqui é seu namorado?
— isso.
— ah tá, é porque ele parece muito um personagem daquele série dexter, sabe?
— o dexter?
— não, um personagem secundário. depois procura na internet, eu esqueci o nome dele agora… é bem secundário, mas, nossa, é igualzinho.
— ahh…
— e o que você faz?
— mestrado em audiovisual.
— o que estuda um pesquisador de audiovisual?
— série, filme. a série dexter, por exemplo.
— ah, achei que fosse aqueles vídeos de filmagem de cirurgia. quando filmam cirurgia para estudante de medicina assistir e aprender.
nesse momento imagino que devo ter feito uma cara à altura de meu horror interno.
— você assiste dexter? 
— comecei a ver uma vez mas parei.
— onde você parou?
— na segunda temporada, acho.
— antes ou depois da chegada da outra psicopata?
— não sei, moço.
— porque depois que ela entra fica interessante, você pretende assistir ou posso te contar o que acontece?
nesse dia meu ônibus atrasou horrores. deu tempo do cara me colocar a par de toda a trama de dexter & me adicionar no facebook¹. é incrível como tudo dá certo para os serial killers. é por isso que eles matam tanto.
¹não consigo mentir sob pressão. ele perguntou “você tem facebook?” e eu respondi “tenho”.
dois passageiros
— O ônibus tá demorando né, amor… Deve ter acontecido alguma coisa na avenida.
— Não aconteceu nada, eu saberia.
— Como você saberia?
— Eu saberia.
— Tá.
— …
— …
— Eu sempre fico sabendo.
— Do que você tá falando?
— Tô falando do que eu to falando… Eu sempre fico sabendo.
— Do trânsito?
— De tudo.
— Você sempre fica sabendo de tudo do trânsito? 
— Não se faça de idiota.
— Você que disse, ué!
— …
— …
— Você tem alguma coisa pra me contar?
— Sobre?
— Você não tem nada pra me contar?
— Acho que não. O que você quer saber?
— Eu já sei. Só quero ouvir de você.
— Ouvir o que de mim?
— Isso aí que você não quer dizer.
— Mas não tenho nada pra te contar!
— Tá. 
— …
— Mas eu já sei.
— Do que você tá falando?
— Você sabe do que eu to falando.
— Dá pra parar com isso e falar logo?
— Se for verdade tudo bem por você que aconteça algo?
— Como assim?
— Você sabe o que vai acontecer com você se isso for verdade, né?
— Se ISSO O QUE for verdade?
— Isso que eu sei.
— Se você sabe porque você pensa que não é verdade? Rá, te peguei nessa hein.
— Eu SEI. Só quero ouvir de você a confirmação.
— Não tenho nada pra esconder. 
— E pra contar?
— Também não.
— Tá. Então tá.
— …
— …
— Mas o que pode acontecer?
— Tá com medo?
— Não, não to com medo. Só quero entender.
— Vamos ver. Se for verdade você aceita que… por exemplo… Você seja atropelada?
— Deus me livre, o que é isso? Como assim?
— Se for verdade, nada mais justo.
— Mas atropelada assim do nada? Por quem? 
— Simplesmente atropelada.
— Mas de leve, né?
— Não, se for verdade você vai ficar no mínimo em coma.
— Cruzes, para com isso. Você parece louco.
— Tomara que não seja verdade então.
— Mas não é verdade.
— Então você sabe do que eu to falando.
— Não, não sei, só sei que não pode ser verdade.
— O quê não pode ser verdade?
— Isso aí!
— Me diz o quê!
— Isso aí que você tá sabendo!
— Que é?
— Sei lá porra, alguma coisa que eu fiz.
— Então você fez mesmo, né… Vagabunda.
— Não fiz nada que mereça ficar em coma.
— Cada um põe o peso que quer nas consequências.
— …
— …
— Nada a ver.
— O quê?
— Nada a ver isso aí que você disse. Do peso das consequências.
— Claro que tem a ver. Eu acho que você merece ficar pra sempre numa cama pra pagar o que fez.
— Mas eu não fiz nada!
— …e pra você não é nada. Viu? Cada um põe o peso que quer.
Chega o ônibus.
— Eu disse que não tinha acontecido nada no trânsito.
— É, mas talvez só aconteça amanhã, quando eu for atropelada.
uma dica
Made For Love | Official Trailer | HBO Max
Made For Love | Official Trailer | HBO Max
A série “Made For Love” (2021) na HBO Max, uma ficção científica humorística e totalmente obsessiva mostra como seria se fosse possível o que muita gente (louca) acha a relação perfeita: saber tudo que o outro pensa, faz e vê.
Curtiu essa edição?
paula gomes e mya pacioni

REFRESCOS é como uma coquinha gelada num dia quente. Pequenos textos como goles refrescantes na sua semana de caos.
Twitter: @myapacioni e @paulagomesn

Para cancelar sua inscrição, clique aqui.
Se você recebeu essa newsletter de alguém e curtiu, você pode assinar aqui.
Curadoria cuidadosa de paula gomes e mya pacioni via Revue.