Mais mudanças (por aqui)

Mais mudanças (por aqui)
Por Arthur Freitas • Edição Nº21 • Ver na web
Tanta coisa mudou aqui desde a última edição que é difícil até de pensar direito. Eu consegui um novo emprego e tô me mudando, então não estranhem se as primeiras semanas de março diminuírem o movimento lá no Pão. Meus horários de trabalho são diferentes e eu vou ter que ajustar minha nova rotina para ter um tempinho a mais para escrever.
Mas eu não tenho nenhum plano de parar com o Pão, isso eu garanto. Escrever o blog com mais frequência foi a melhor decisão que eu tomei nesses últimos dois anos. Pra falar bem a verdade, o emprego é bem semelhante ao que eu tinha na época que eu criei o blog, e o lugar que eu vou morar é bem próximo do apartamento em que eu morava naquela época. Eu gosto da poesia dessa situação.
Desculpem pelo tom mais pessoal que essa newsletter assumiu nessa edição e na anterior. Eu não tenho ideia de como vou estar daqui a duas semanas, com um novo emprego e em um novo lugar, mas eu espero que eu volte pra programação normal logo.

Minha dieta cultural nas últimas semanas
The Americans (Prime Video): eu terminei de rever a terceira temporada (incrível) e tô indo pra quarta (que, pela minha memória, é ainda melhor). Eu quero muito escrever sobre como essa série é um exemplo de como a “era do ouro da TV” produziu séries boas, e como ela consegue misturar tão bem seu drama familiar e sua trama de espionagem. Eu ainda vou fazer isso, eu prometo!
The Leftovers (HBO GO): eu terminei a primeira temporada, o que significa que agora a série melhora exponencialmente a cada episódio. Eu tô tuitando conforme eu assisto nas sextas-feiras, mas minha maior impressão nessa revisão é que, enquanto a primeira temporada não se sustenta sozinha, as temporadas seguintes tornam ela essencial, porque vários momentos tornam-se significativos. É uma série especial.
Butch Cassidy e Sundance Kid (Popcorn Time): eu não ando vendo muito filme, com exceção dos domingos de manhã em que eu assisto um filme da Agnès Varda (tem dezenas de filmes dela no MUBI), então quando eu fico com vontade eu assisto um filme da minha lista de filmes pra assistir, que nos últimos anos só cresceu. Butch Cassidy e Sundance Kid é um faroeste maravilhoso porque é divertido e emocionante, com um bromance entre seus personagens principais que nunca fica complicado demais.
Super Mario 3D World + Browser’s Fury (Nintendo Switch): eu não sou o maior fã de Super Mario Odyssey, embora não ache ele um jogo ruim, mas é bom de voltar ao Reino do Cogumelo com esse relançamento do Wii U. Eu ainda acho 3D Land, lançado no Nintendo 3DS, melhor por causa da intensidade (os níveis são mais curtos, mas são repletos de desafios), mas 3D World é ótimo também.
Fantasy Life (Nintendo 3DS): eu escrevi sobre Fantasy Life no ano passado, e depois de um tempo sem jogar eu voltei essa última semana para fazer mais umas missões. Eu ainda acho esse RPG muito charmoso, e eu adoro que eu não preciso ser um mago ou um soldado para realizar as missões. Eu amo minha vida de pescador. Não é perfeito (a borboleta que te acompanha consegue ser mais insuportável que a Navi de Ocarina of Time), mas é um charme.
Eu não li nenhum livro nessas últimas semanas, e tô me sentindo horrível por isso. Pretendo voltar ao Exhalation do Ted Chiang assim que possível!
Curtiu essa edição?
Arthur Freitas
Por Arthur Freitas

Um textinho logo de manhã.
Links legais e leituras bacanas.
Um sábado sim, um sábado não.

Se você não quer mais receber essa newsletter, por favor cancele sua assinatura aqui.
Curadoria cuidadosa de Arthur Freitas via Revue.