Ver perfil

Banheiro com luz ativada por sensor de movimento é arma do capitalismo - Eu posso estar errado - Edição Nº36

Banheiro com luz ativada por sensor de movimento é arma do capitalismo - Eu posso estar errado - Edição Nº36
Por Gabriel Schincariol Cavalcante • Edição Nº36 • Ver na web
Pelo direito de ficar sentado na privada (com a luz acesa)

O capitalismo venceu, nós perdemos.
Sobre isso não há muita dúvida, as coisas são como elas são. O que nos resta é lutar pelas migalhas, pequenos fiapos de dignidade, um ou outro golpe no capital. E a utilização desenfreada do banheiro no horário de expediente, somada às pausas para o cafezinho são alguns dos últimos refúgios do trabalhador.
Se você se esforçar, é possível matar 1/3 do dia de trabalho nessa brincadeira. Tem que fazer valer. Tem que dominar a arte.
Mas o inimigo, o inimigo é ardiloso.
A invenção da luz do banheiro ativada por sensor é uma barreira potente contra o proletariado. Quando você entra no banheiro, ouve o estralo e pronto, a luz acende. Você vai até o box, ajeita-se confortavelmente, pega o celular, coloca o fone de ouvido e rola o reels inteiro, o feed completo do TikTok, vê todos os tuítes, as fotos, estoura seu pacote de dados. Ali, naquele momento, você está vencendo uma batalha perdida.
Até que a luz se apaga.
E o sensor, ele é sempre posicionado de maneira estratégica para que o(a) infeliz sentado(a) no vaso não consiga ativá-lo. Você ergue os braços. Você gesticula. Nada, luz apagada. Lá está você, depressivo, no escuro de um banheiro coletivo.
São poucas as opções:
ou você se resigna e se levanta, acabou a pausa.
ou você não se dá por vencido e fica lá, sentado no escuro feito uma alma das trevas.
ou você espera algum outro colega, também na luta contra o capital, entrar pela porta e fazer a luz se acender.
A última opção às vezes é constrangedora, quando você sai do seu box e o cara tá lá, lavando as mãos, e percebe que você estava sentado no escuro. É meio patético, mas é também uma demonstração de honra.
Tem, por fim, a estratégia de forçar a luz a acender de novo. Essa requer um pouco de talento. Envolve pegar papel higiênico em quantidade suficiente para fazer uma bolinha pesada e arremessar o objeto na direção do sensor. Repetidas vezes. Enchendo o chão do banheiro de papel.
Às vezes funciona, às vezes não.
Quando funciona, você é o Jordan nas finais de 98.
Jordan no arremesso decisivo faltando 6 segundos para o jogo das finais de 98 da NBA
Jordan no arremesso decisivo faltando 6 segundos para o jogo das finais de 98 da NBA
Quando não funciona, bem, você é mais um trabalhador vencido pelo sistema.
Basta voltar no outro dia e tentar outra vez.
Curtiu essa edição?
Gabriel Schincariol Cavalcante

Eu posso estar errado. Mas será que eu estou?
Escritor de ficção, formado em Direito pela USP (não é advogado), mestrando em Teoria Literária - FFLCH USP

Para cancelar sua inscrição, clique aqui.
Se você recebeu essa newsletter de alguém e curtiu, você pode assinar aqui.
Curadoria cuidadosa de Gabriel Schincariol Cavalcante via Revue.