Ver perfil

Meu sistema para escrever bastante

Eriq Cobra
Eriq Cobra
Antigamente eu só escrevia quando tinha algo perfeito para contar – hoje escrevo todos os dias, sobre qualquer merda.

Foto por Michael Aleo.
Foto por Michael Aleo.
Remédio para a procrastinação
Foi quando parei de colocar metas ou obstáculos no caminho da minha escrita que passei a produzir feito louco.
Parei de pensar que preciso cuspir um capítulo ou artigo pronto (e perfeito) assim, de uma vez
Já que serei obrigado a revisar e editar caso queira publicar, faz mais sentido pensar nisso depois, né não?
Isso é, caso eu queira publicar
Assumindo que o texto será privado até uma decisão consciente [e esforçada] de levá-lo ao público, o perfeccionismo tem menos coisas para se preocupar no cérebro.
Ao relaxar, dei espaço para a criatividade. Com mais criatividade, maior ficou o meu desejo de criar pelo prazer de criar.
Escrever deixou de ser uma obrigação e virou a parte mais divertida dos meus dias – mais que uma trilha noturna pela floresta até a praia 🌙
Foto por Kaitlyn Baker.
Foto por Kaitlyn Baker.
Metas x Hábitos
Antes eu queria fazer o que a maioria dos escritores iniciantes é ensinado a fazer: bater metas.
Mil palavras por dia – exclusivamente relacionadas aos meus projetos literários em progresso, o que dava pouco espaço expressivo e me entediava.
Hoje, meu objetivo é:
  • Escrever por uma hora sobre o que eu estiver pensando, ou sentindo, ou sobre o que eu quiser falar.
Sem ordem. Sem regras. Sem limites.
Entro num flow tão gostoso que fico entre quatro e seis horas escrevendo:
  • Sobre mim, o que aconteceu, meus planos, tédio, solidão, medos, frustrações, ideias, e tudo que eu gostaria de discutir com alguém para compreender melhor;
  • Para os meus livros, normalmente mais de um;
  • Para clientes, também mais de um;
  • Ou longas cartas para amigos e megainvestidores, como o Dani, que é único✍🏼
Escrever muito mais que mil palavras num dia ficou fácil quando me convenci a escrever sobre qualquer coisa.
Sem pressão. Só escrever.
Posso jogar fora depois. 
Um resultado não é tão importante quanto praticar a escrita deliberadamente, com o prazer facilitando adesão ao hábito.
O exercício é converter a ameaça de uma página em branco, num convite.
Foto por David Schultz.
Foto por David Schultz.
Escrever por uma hora todos os dias
Me sinto mais criativo ao acordar, então gosto de produzir – ou planejar a pessoa que eu gostaria de ser – nas primeiras 6 horas a partir do horário que levanto.
A coisa que mais gosto de fazer nas manhãs é ceder ao vício por café¹.
Sabendo que um jeito de incluir novos hábitos na rotina é os conectando a atividades gostosas que já pratico diariamente, liguei a escrita ao café.
Aos poucos, e sem muito esforço, sentar todos os dias para tomar café e escrever sobre meus pensamentos – sem filtros nem julgamentos – se tornou um hábito fundamental nas minhas manhãs.
Faz parte da minha identidade.
Parte de quem eu sou.
Foto por Ava Sol.
Foto por Ava Sol.
Benefícios de escrever pensamentos
O maior problema para artistas, ansiosos, ou deep thinkers, é a dificuldade de “desligar” o cérebro.
Há sempre um pensamento. Há sempre uma discussão acontecendo.
Vira alívio encarar uma tela em branco, com uma caneca do seu café preferido perfumando o ambiente, e com o convite de transcrever o fluxo infinito de pensamentos que você tem na cabeça.
Suas primeiras semanas fazendo isso vão te viciar. É como ter um melhor amigo ou psicólogo sempre à disposição; um cuidado pessoal; um cofre para arquivar bagulhos do cérebro.
Você vai dormir pensando em acordar para contar para você mesmo, na conversa mais sincera que você terá na vida, tudo que você não pode contar para outras pessoas.
Na necessidade de ser objetivo, ilustrativo e claro com com seus pensamentos ao converter o que está na sua cabeça num texto que pode ser lido, você melhora:
  • Sua seleção de palavras,
  • Criatividade para analogias,
  • Ordem, narrativa e ritmo,
  • E outras nuances que melhoram qualquer texto que você venha a escrever no futuro.
Mesmo na pressa.
Mesmo sob pressão.
Mesmo sem motivação.
Foto por Daria Nepriakhina.
Foto por Daria Nepriakhina.
Escrever não é a mesma coisa que publicar
Revisar, editar ou publicar, não são a mesma coisa que escrever.
Não gosto tanto de editar quanto amo escrever – apesar de saber que grandes obras não são escritas prontas, mas são editadas para serem fenomenais.
Escrever é uma atividade intrínseca, com a recompensa sendo o próprio ato de escrever – e não o livro/artigo como resultado da escrita.
Revisar ou publicar é uma atividade extrínseca: uma demanda de fora, para atender necessidades dos outros.
As motivações de uma coisa e outra são polarizadas, sabe?
Era exatamente disso que eu precisava para escrever mais: separar a escrita do processo de publicação.
Uma vez que simplifiquei o sistema e instalei um hábito, escrever nunca mais foi problema.
Escrever é a única solução. ◾
Nota de rodapé
¹: Gosto tanto de café, que às vezes só consigo dormir porque sei que vou tomar café pela manhã.
Curtiu essa edição? Sim Não
Eriq Cobra
Eriq Cobra @eriqcobra

Links interessantes, dicas de escrita criativa, e novidades sobre o autor de livros LGBT+ Eriq Cobra. Saiba mais no site www.eriqcobra.com.br

Se você não quer mais receber essa newsletter, por favor cancele sua assinatura aqui.
Se você recebeu essa newsletter de alguém e curtiu, você pode assinar aqui.
Created with Revue by Twitter.