Ver perfil

Todo Mundo Quem? - Fase Quantitativa

A sensação é de que todo mundo está nas redes sociais. Essa percepção influencia decisões desde o pro
Todo Mundo Quem?
Todo Mundo Quem? - Fase Quantitativa
Por Todo Mundo Quem? • Edição Nº7 • Ver na web
A sensação é de que todo mundo está nas redes sociais. Essa percepção influencia decisões desde o processo de comunicação de empresas privadas que dedicam uma parcela cada vez maior de seus investimentos à publicidade nas redes até a definição da agenda da sociedade civil e do Estado. 33% da população brasileira não está nas redes sociais. 
Desde 2017 a investigação independente ‘Todo Mundo Quem?’ estuda o comportamento dos brasileiros que estão fora das redes sociais. Em sua primeira fase, de pesquisa qualitativa, Filipe Techera e Luiza Futuro passaram por Belém, Salvador, Cuiabá, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre conversando com pessoas entre entre 14 e 65 anos, de todas as classes sociais, sobre a sua relação com informação, comunicação, relação e motivações para não acessar ou aderir as redes sociais. As redes sociais que foram consideradas nesta etapa para mapear os não usuários foram: WhatsApp, Instagram, Facebook e Twitter.
Há, ainda que nas capitais e em suas regiões metropolitanas, questões estruturais que impossibilitam o acesso de uma grande parcela da população às redes e, muitas vezes, à internet.  Essas barreiras estão ligadas à má distribuição de renda, à ineficiência do sistema educacional, ao analfabetismo digital e à precarização na qualidade dos serviços prestados pelas operadoras de telecomunicações. 
Ainda falta muito para que o acesso à internet no Brasil atinja o patamar de direito humano como reconhecido pela ONU desde 2011.

Fase Quantitativa
Esse ano a investigação 'Todo Mundo Quem?’ divulga seus primeiros resultados quantitativos. Conduzida pelo instituto de pesquisa GfK, a segunda etapa do estudo contou com 11.887 entrevistas, com pessoas de 16 a 79 anos das classes A, B, C e DE nas 15 principais regiões metropolitanas do país. Sendo elas, São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Salvador, Belém, Recife, Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Fortaleza, Florianópolis, Campinas, Vitória, Goiânia e Manaus. A coleta de dados foi finalizada em Setembro de 2017.

Abaixo alguns dos aprendizados da fase quantitativa:
 
  • 49,6% dos entrevistados dizem não utilizar redes sociais;

  • 32,3% dos entrevistados afirmam não ter acesso à internet em sua residência;

  • 53,5% dos não usuários de redes sociais entrevistados afirmam não ter acesso à internet em sua residência;

É interessante destacar como a maioria dos autodeclarados não usuários está na classe C e tem menos de 45 anos. Esses dados quebram alguns estereótipos e preconceitos que criamos sobre a falta de acesso tanto em relação a redes sociais como a internet no Brasil. Além disso demonstra o potencial de crescimento que essas ferramentas ainda tem pela frente.

  • 16% dos não usuários de redes sociais entrevistados são da classe AB;

  •   52% dos não usuários de redes sociais entrevistados são da classe C;

  •   32% dos não usuários de redes sociais entrevistados são da classe DE;

  • 39,2% dos não usuários de redes sociais entrevistados tem menos de 45 anos;

  • 48,5% dos donos de casa* entrevistados afirmam não ser usuários de redes sociais.

*membro do domicílio que, independente do sexo, administra e/ou dirige as despesas cotidianas do orçamento doméstico.

Outras fontes de informação
Além do perfil dos não usuários de redes, essa fase do projeto também tem dados sobre o processo de informação dos entrevistados:

  •  52,5% dos não usuários de redes sociais entrevistados afirmam usar o rádio como fonte de informação;

  •  79,5% dos entrevistados declaram assistir televisão diariamente;

  •   80,3% dos não usuários de redes sociais entrevistados declaram assistir televisão diariamente.

Os dados apontam que os processos de comunicação e informação tem o potencial de serem mais amplos e efetivos se construídos a partir de uma lógica de rizoma.
É evidente que as redes sociais são um universo gigante, poderoso e de crescimento exponencial. Porém, no caso do Brasil, é importante reconhecermos o grande número de pessoas que não participam dessas plataformas e nas reflexões daqueles que questionam sua forma e uso.
Como nação temos a urgência de encarar a presente diversidade tecnológica, seus impactos e o desafio de construir um sistema de comunicação e acesso a tecnologia que propicie estabelecermos uma conversa entre os 209 milhões de brasileiros, o real todo mundo do nosso país.

Até a próxima,
Filipe Techera e Luiza Futuro

Sobre Redes Sociais e Sociedade
Enem digital esbarra em falta de internet em escolas públicas de ensino médio do país
 The Privacy Project
Professores da USP integram grupo de pesquisadores com acesso inédito a base de dados do Facebook
The war to connect you to the internet heats up as tech and telecom companies face off
Mais de Todo Mundo Quem?
O Brasil além dos 280 caracteres
“Todo mundo quem?”: um perfil de brasileiros que não usam redes sociais
70 milhões de brasileiros não usam redes sociais
Curtiu essa edição?
Todo Mundo Quem?

Notícias e aprendizados sobre o projeto Todo Mundo Quem? Uma investigação sobre os brasileiros fora das redes sociais.

Se você não quer mais receber essa newsletter, por favor cancele sua assinatura aqui.
Se você recebeu essa newsletter de alguém e curtiu, você pode assinar aqui.
Curadoria cuidadosa de Todo Mundo Quem? via Revue.
https://www.todomundoquem.com/